top of page

Ler em Português é difícil. Em Inglês? Impossível!


Estudar Inglês através da TALKNTALK me trouxe uma dimensão bem maior do estudo da língua.


A conversação evoluiu bastante conforme o estudo e prática nas imersões, isso é inegável. Mas eu queria, também, explorar o tal do reading, que é um desafio.


Antes de entrar na leitura em outro idioma, cabe pensar porque nós lemos tão pouco enquanto nação.


Na última edição da pesquisa "Retratos da Leitura no Brasil", feita em 2019, aponta que temos 4,6 milhões a menos de leitores. Outro dado relevante é que a maioria dos leitores tem entre 5 e 10 anos. As explicações podem se dar no sentido de que, quando se é criança, existe um mediador de leitura (como a família ou a escola) e ainda não temos tantas preocupações e limitações internas como na vida adulta.


Acreditar que não gosta, travar num livro porque acredita que precisa terminá-lo, achar que lê devagar e, por isso, não quer ler, se distrair com as palavras e ter que voltar nas páginas... Ixi, é muito motivo. E já passei por todos eles! Como é um papo longo e aqui a gente vai conversar mais sobre a leitura em inglês, deixo um artigo que escrevi há uns meses atrás em que compartilho dicas e experiências que tive para ampliar minha leitura.


Agora sim, vamos para a leitura em Inglês!


Juntei todas as ferramentas e estratégias que venho usando para tornar hábito da leitura em inglês mais leve, confortável e assertivo.


Algumas dicas pra começar:

  1. Só vai: a leitura fica mais fluída quando a gente só lê. Não tente ir traduzindo cada palavra que ainda não conhece. Leia, grife, e continue lendo pelo menos até o final do parágrafo e veja se consegue compreendê-la no contexto. Só, então, use um dicionário ou ferramentas para tradução.

  2. Não tenha pressa: leve o tempo que precisar para essa leitura. É um livro de 5 páginas que você demorou um mês pra ler porque estava se acostumando com o vocabulário? Tudo certo! Ao final do mês, você terminou um livro e aprendeu muito. Isso que importa!

  3. Sem preconceito ou vergonha: leia gibi, história infantil, contos pequenos, piadas para começar. Não espera que consiga ler um romance do século XVII, com uma língua diferente da de hoje em dia, de primeira, né?

  4. Se o livro tá chato, manda ele embora: essa vale pra qualquer idioma. Melhor "abandonar" uma leitura que não está agregando nada (nem mesmo te entretendo) e começar outra melhor.

  5. Depois do livro, o caderno é seu melhor amigo: assim que aprendeu uma palavra/expressão nova, anota ali no seu caderninho. É quase mágico conseguir reconhecer a palavra depois!

Com isso em mente, vamos lá!

Ler, de verdade, as perguntas preparadas para as imersões.

Se você já é aluno da TalknTalk (se não é, o que tá faltando pra ser? Let's bora!), vê que todas as imersões tem as perguntas norteadoras, que são o fio condutor de cada conversa.


Elas são importantes, também, para chegar na imersão sabendo sobre o que será falado, praticar antes...


Já teve imersão que eu fui sem ler nenhuma pergunta porque queria que fosse inesperado? Sim! Mas, para começar a praticar a leitura, ler as perguntas pode ser uma estratégia simples e bastante eficiente.


Ler temáticas que você já gosta e que faça sentido.

É muito mais fácil a gente aprender um idioma (ou qualquer outra coisa, na verdade) quando a gente já gosta do assunto.


Comecei na TALKNTALK numa fase bem complicada: estava desempregada, recebendo um monte de negativa e fragilizada com isso. Trabalho com educação há muitos anos e achei que seria uma boa ideia praticar o reading com essa temática. Que engano: estava tão frustrada de não conseguir um trabalho que fiquei mais triste ainda.


Nessa época, eu já morava na Paraíba tinha um bom tempo e me envolvi com o Observatório Marinho, uma organização que realiza o monitoramento de tartarugas marinhas no litoral. Foram alguns meses que eu só estudava inglês, cuidava de tartaruga, lia livro e procurava emprego.

Encantadíssima com esses seres maravilhosos, comecei a ler e assistir tudo sobre elas em inglês. De livros infantis a pesquisas científicas. Resultado: deu tudo certo! Óbvio que algumas palavras mais técnicas foram bem difíceis, ainda bem que existe Google Tradutor e o ChatGPT para me ajudarem.


Resumindo, para além de ler coisas que gosta, leia coisas que façam sentido para o seu momento de vida, entendendo que o objetivo maior é praticar o idioma e, de quebra, aprender mais coisas.

Aqui um livro (é infantil sim, chego lá no próximo tópico!)

sobre a jornada das tartarugas e uma bebê que pude acompanhar.


Literatura infantil

Existe sim uma tendência minha em apreciar uma boa literatura infantil, afinal sou Pedagoga. Esse tipo de literatura me conecta com minha criança interior e me ajuda a desenvolver meu trabalho com educação com o olhar para o universo da infância.


Trazendo para o aprendizado da língua inglesa, pode ser um excelente ponto de partida por ter um vocabulário mais simples e que explora, muitas vezes, sentimentos e situações cotidianas.


Aqui, trago dois livros bem curtinhos, muito simples, e fofos para começar. Se você tem criança perto de você, o que acha de ler com ela?

Where the Wild Things Are - Maurice Sendak | The very hungry caterpillar - Eric Carle


Histórias que você já conhece.

Sejamos honestos, é muito bom estar na zona de conforto. Aprender outra língua já é desconfortável o suficiente e algumas coisas (como o estudo da gramática e falar em público) não tem muito para onde correr: é fazer e pronto.


Mas a leitura pode ser um espaço confortável, principalmente no começo.

É mais fácil lidar com a previsibilidade e relacionar com o que já lemos/conhecemos em Português.


Nessa de fazer leituras mais simples e que já conhecia a história, me aventurei em reler O Pequeno Príncipe - Antoine de Saint-Exupéry, um clássico muito gostoso e, também, li o O Triste Fim do Pequeno Menino Ostra e Outras Histórias - Tim Burton, imediatamente depois de ler a versão em Português.


Foi fácil? Não! Demorei pra terminar? Muito!

E, mesmo assim, foi um processo prazeroso com muito aprendizado.




The Little Prince - Antoine de Saint-Exupéry

The Melancholy Death of Oyster Boy & Other Stories - Tim Burton


Legal, Carol! Mas não tenho nem tempo e nem dinheiro pra ler nada!


Tempo realmente pode ser uma questão.

O que eu posso trazer de dica é separar 20 minutos por dia de leitura. Não precisa nem ser 20 minutos corridos, dá pra dividir em 10 minutos de manhã, 10 minutos antes de dormir…


É um estudo, é pra aprender e ser prazeroso. Não tem porque ter pressa. Melhor ler só 20 minutos do que não ler nada.


E sobre a grana, trago aqui dois sites que podem te ajudar:

Livros em domínio público

No Brasil, textos/livros caem em domínio público quando fazem 70 anos da morte do autor. Então, temos centenas de obras (e muita em Inglês) disponíveis gratuitamente e de forma legal nessa plataforma:


Prefere o livro físico e obras mais novas?

Consulte as Bibliotecas Públicas da sua cidade! Além de ter acesso gratuito a diversas obras, é um passeio super gostoso.

Bibliotecas Públicas Nacionais:


Mais uma dica? Já teve imersão sobre livros na TALKNTALK!

Participar de uma delas pode ser ainda mais interessante para seu desenvolvimento.

Agora, com licença que vou começar mais uma aventura na leitura em Inglês com esse livro aqui: A Christmas Carol (Um Cântico de Natal) - Charles Dickens .


Acho um mimo que a palavra "carol" (meu apelido) também tem o sentido de "cântico, conto" em Inglês.


Escolhi esse porque ele segue algumas dicas: já conheço e adoro a história, é infanto-juvenil e provavelmente quando eu terminar (ler em outro idioma eu demoro mais), já será Natal!

“Os livros não mudam o Mundo, quem muda o Mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas” Mário Quintana

70 visualizações3 comentários

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page