top of page

Comunicação Não Violenta? Como assim?




Você já ouviu falar sobre Comunicação Não Violenta - ou, para os íntimos, CNV?


Sistematizada pelo psicólogo Marshall Rosenberg na década de 1960, a CNV busca promover uma comunicação mais eficaz e empática, focando na escuta ativa e na expressão autêntica e honesta dos sentimentos e necessidades.


Então… A CNV quer ser “fofa”, sem a intenção de resolver problemas? Se comunicar de forma não violenta é fugir dos conflitos? 


De forma alguma, muito pelo contrário! 


A CNV não sugere ceder ou ignorar desafios, mas sim expressar as necessidades e sentimentos de maneira clara, respeitosa e de maneira responsável, criando uma conexão mais profunda entre as pessoas.


Antes de falarmos sobre os 4 pilares e também sobre como você pode implementar a CNV na sua vida, é importante compreender que:


O que sentimos e como agimos perante disso, é responsabilidade NOSSA. Não temos poder algum sobre a ação do outro, mas temos poder sobre o que NÓS faremos perante essa ação.

Agora sim! Bora falar de CNV? Ah, e independente do idioma que você está estudando na TALKNTALK, a CNV é para todos os seres humanos, independente da língua que fala! 

 

Para começarmos, é importante contar que a CNV tem 4 pilares:


1) Observação (Observation): Descrever fatos concretos sem julgamento ou interpretação pessoal

Separar o fato do julgamento é fundamental para evitar mal-entendidos e abrir espaço para uma comunicação mais clara e eficaz. 


Trazendo um exemplo, ao invés de expressar um julgamento como "Meu colega de trabalho é burro!", aplicando a CNV, a observação seria mais específica e se fosse "Meu colega de trabalho me pergunta muitas vezes a mesma coisa que já expliquei". 


Perceberam a diferença? O “colega ser burro”, é um julgamento. Entender o que de fato acontece para gerar essa sensação/julgamento, é mais interessante para seguir com os próximos passos.


2) Sentimento (Feeling): Identificar e expressar sentimentos relacionados à observação;

Apesar dos seres humanos terem a capacidade de sentir sentimentos parecidos, eles podem ser despertados de maneiras diferentes em cada pessoa.

 

A CNV traz uma lista de sentimentos, segue na tabela abaixo:

Alegria

Tristeza

Raiva

Medo

Surpresa

Desgosto

Empatia

Gratidão

Confiança

Curiosidade

Amor

Desespero

Contentamento

Desânimo

Euforia

Insegurança

Remorso

Esperança

Ternura

Desconforto

Admiração

Frustração

Aceitação

Satisfação

Vergonha

Entusiasmo

Resignação

Compaixão

Preocupação

Orgulho

Culpa

Irritação

Sintonia

Deslumbramento

Respeito

Saudade

Desprezo

Solidariedade

Desamparo


Ah, importante! Nenhum sentimento é bom ou ruim, eles podem ser confortáveis ou desconfortáveis!


Ainda sobre o “colega burro”: Eu me sinto irritado/bravo/desanimado quando meu colega me pergunta várias vezes a mesma coisa.


3) Necessidade (Need): Reconhecer as necessidades subjacentes aos sentimentos;

Diferentes do sentimentos, que podem ser despertados de maneiras diferentes em cada pessoa, mesmo com o mesmo fato, as necessidades são inerentes a todos os seres humanos. 


Quando as necessidades são atendidas são gerados sentimentos confortáveis. Quando as necessidades não são atendidas, é aí que os sentimentos desconfortáveis aparecem. 


Tem uma frase, que é trazida no livro do Marshel, que diz:


“Toda violência é uma manifestação trágica de uma necessidade não atendida”. Isso não é brilhante?


Vou trazer as necessidades que a CNV aponta:

Autenticidade

Beleza

Compreensão

Saúde

Paz

Expressão

Conexão

Contribuição

Intimidade

Segurança

Respeito

Espaço

Equidade

Autonomia

Pertencimento

Crescimento

Aprendizado

Celebração

Recreação

Harmonia

Comunidade

Colaboração

Aceitação

Honestidade

Paz interna

Liberdade

Sustento

Diversidade

Confiança

Espiritualidade

Integridade

Tranquilidade

Compreensão mútua

Empatia

Propósito

Resiliência

Clareza

Preservação

Reciprocidade

Cooperação

Saúde emocional

Equilíbrio

Descanso

Participação


Voltando ao “colega burro”, juntando tudo até agora:


Eu me sinto irritado/bravo/desanimado quando meu colega me pergunta várias vezes a mesma coisa porque minha necessidade de compreensão/cooperação/respeito não está sendo atendida


4) Pedido (Request): Formular pedidos claros e específicos, em vez de exigências.

Agora sim, entendendo exatamente os sentimentos e suas origens (necessidades não atendidas), podemos começar a trabalhar com os pedidos claros. 


Atenção: um pedido não é uma exigência. Um pedido permite que a outra pessoa também traga suas considerações, sentimentos e necessidades sobre o fato. 


Exemplo do “colega burro”:


Fulano, quando você me pede para repetir coisas que eu já te disse, eu me sinto irritado/bravo/desanimado porque minha necessidade de compreensão/cooperação/respeito não está sendo atendida. Pensei, como solução, criar um método de anotação para que você consiga revisitar sem precisar falar comigo sobre a mesma questão mais de uma vez. Funciona pra você? 


Outro ponto importante sobre o pedido é que ele não precisa, necessariamente, ser resolutivo. Um bom pedido, muitas vezes, pode ser um convite a construção de uma solução em conjunto, a partir da necessidade que precisa ser atendida. Por exemplo:


Fulano, eu preciso que minha necessidade de compreensão/cooperação/respeito seja atendida quando o assunto é “repetir muitas vezes a mesma coisa”. Qual a melhor forma que você acredita que eu e você podemos fazer para atendê-la? 


A partir daí, é diálogo e mais diálogo, buscando escuta, conexão e resoluções ganha-ganha para ambas partes.


Ah, Carol, você falando assim, parece até que é fácil! É fácil?


Nunca disse isso rsrs


Praticar a CNV na vida real é muito mais complexo do que a gente pensa. Não é sempre que conseguimos aplicar. Às vezes, precisa de tempo, um respiro e um melhor entendimento interno, antes de ser passado para o outro.


Agora é com vocês! Montei algumas situações-exemplos para praticar a CNV. Pode escolher uma (ou quantas quiser) para montar observação + sentimento + necessidade + pedido. 


Dica: pensando que a CNV é um exercício, use a "fórmula":


Observação sem julgamento + me sinto (coloque todos os sentimentos) + porque minha necessidade de (coloque todas as necessidades) + pedido claro, sem exigência



Situação 1: O facilitador é muito ruim porque só ele falou durante a imersão na TalknTalk

Situação 2: Os estudantes da TALKNTALK não querem ligar a câmera na imersão, com certeza não estão prestando atenção

Situação 3: Meu amigo não gosta mais de mim, ele só quer saber dos novos amigos e não me convidou para jantar na sua casa

Situação 4: Meu marido/esposa só trabalha e não quer arrumar tempo para ficar comigo!

Situação 5: Meu filho adolescente desrespeita as regras da casa, é um folgado!

Situação 6: Minha mãe não me apoia e só critica as minhas decisões de vida

Situação 7: Meu colega não trabalho não colabora no projeto e deixa todo o trabalho para mim

Situação 8: Meu colega de trabalho pega todo o crédito pelas ideias que desenvolvemos juntos


Bora praticar?


Me conta aqui nos comentários sobre as conclusões que você chegou,

vou adorar saber e trocar sobre isso!


27 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page